Por que a felicidade depende do seu intestino?

Quando se fala sobre intestino, a maioria das pessoas logo pensa no hábito de ir ao banheiro, não é mesmo?

Mas o intestino é muito mais que isso.

Cerca de 90% da serotonina (neurotransmissor responsável pelo nosso bem estar), é produzido no intestino, que é considerado o nosso segundo cérebro.

O nosso humor, muitas vezes, está relacionado ao momento que estamos passando em nossas vidas, mas nem sempre são apenas os fatores externos que interferem no nosso estado de humor.

A prisão de ventre, por exemplo, também influencia no humor das pessoas. Sabe aquela expressão ‘’estar enfezado’’? É exatamente isso que ela quer dizer: ‘’cheio de fezes’’. E quando uma pessoa está assim, ela fica mal humorada.

As células do intestino não controlam apenas a digestão e absorção dos alimentos, elas são responsáveis por sensações e emoções que podem ser sentidas diretamente nesse órgão. Quem nunca sentiu aquele famoso frio na barriga quando estamos prestes a receber uma notícia muito esperada? Outro exemplo é quando estamos ansiosos e nervosos com algo. Muitas vezes é comum sentir dor de barriga, e ter até mesmo diarréia. Por outro lado, a constipação pode estar ligada a indivíduos que travam e não botam pra fora suas emoções.

Isso acontece porque nosso intestino possui milhares de células nervosas, muito similar a estrutura do nosso cérebro. Ambos produzem substâncias que afetam o humor.

E ao digerir alimentos e emoções, nosso intestino e nosso cérebro estão exercendo funções correlacionadas.

O intestino libera substâncias químicas, como a serotonina, em resposta à uma nutrição e digestão saudável. Quando procuramos comer bem, mastigando com calma os alimentos e buscando variedade, nosso sistema digestivo agradece dando-nos energia.

Mas se por algum motivo a digestão e o trânsito intestinal não é boa, acumulamos toxinas e demandamos mais energia para a digestão, e isso nos deixa mais cansados.

Além disso, estresse crônico e o consumo excessivo de açúcar e industrializados também podem contribuir para um desequilíbrio na flora intestinal, o que é conhecido como disbiose.

A ingestão do alimento não garante que seus nutrientes estarão biodisponíveis para serem utilizados pelas células. É preciso também garantir que o alimento seja bem digerido e absorvido para então ser utilizado, e neste contexto, o intestino é um órgão de vital importância no nosso corpo.

Ele funciona como um filtro, capaz de permitir ou barrar a entrada de nutrientes necessários ao organismo e de substâncias prejudiciais para a nossa saúde.

Se você tiver uma dieta equilibrada e incluir alimentos probióticos (kefir, kombucha, tempeh, missô, picles, chucrute…) e prebióticos (batata yacon, biomassa de banana verde, cebola, alho, algas, aveia…), além de uma boa ingestão de fibras, verduras, legumes, frutas e água, é possível manter uma microbiota com bactérias benéficas, promovendo assim uma boa saúde intestinal e favorecendo a integridade da mucosa.

Ao fazer melhores escolhas alimentares, estamos garantindo um fluxo necessário para o nosso bem estar.

Be Sociable, Share!
Raianne Tocantins
Nutricionista, Health coach e pós graduada em Nutrição Clínica Funcional, Ortomolecular e Fitoterapia. Possui cursos de extensão e aprimoramento em nutrição vegetariana e experiência em consultorias, desenvolvimento de cardápios e atendimento desde 2014. Atua em consultório no Rio de Janeiro, com o objetivo de orientar seus pacientes sobre como ter uma alimentação saudável e fazer escolhas mais conscientes, sem restrições e sempre visando o equilíbrio em todos os sentidos. Segue a linha funcional e plant based e tem como base comida de verdade. Procura não rotular nenhum tipo específico de escolha alimentar, e sim orientar as pessoas a fazerem escolhas alimentares mais conscientes e a encontrarem seu equilíbrio. Consultório em Ipanema e Tijuca Whatsapp (21) 9828-49925 ou raiannetocantins@gmail.com

Leia também

As grandes escolhas alimentares que fazemos

As grandes escolhas alimentares que fazemos